domingo, 13 de agosto de 2017

Mulçumanos ataque igreja Batista na Nigéria. Até agora somam 40 mortos

Igreja Batista é atacada por muçulmanos e morrem ao menos 40 cristãos na Nigéria
Além dos mortos e feridos neste ataque recente, centenas de pessoas foram expulsas de suas casas e igrejas também foram destruídas.


Ataque de muçulmanos em aldeia. (Foto: 360Nobs)
Pelo menos 40 pessoas foram mortas, após um massacre brutal a uma comunidade cristã  Batista na Nigéria.

Homens armados (provavelmente membros de tribos Fulani) invadiram Godogodo no estado de Kaduna, Nigéria – um assentamento predominantemente cristão – no último sábado (15). O incidente ocorreu após assassinatos anteriores na mesma aldeia.

Além dos mortos e feridos neste ataque recente, centenas de pessoas foram expulsas de suas casas e igrejas também foram destruídas.


Moradores da aldeia disseram que o massacre aconteceu pouco depois de alguns jornalistas terem passado por lá para fazer uma matéria sobre um ataque com facões que havia matado oito pessoas no final de setembro, segundo relatórios da agência cristã ‘Morning Star News’.

Uma testemunha do ataque, Peter Atangi, viu seus quatro filhos sendo mortos pelos pastores Fulani [grupos de extremistas islâmicos que perseguem cristãos na Nigéria].

“Os pastores vieram à noite, no sábado [15 de outubro]. Eles invadiram nossas casas depois de atacar um posto de controle militar. Eles usavam armas sofisticadas, além de facões, facas e paus. Assim que eles chegaram, começaram a atirar indiscriminadamente e começamos a correr em direções diferentes”, disse ele.

“Eles atiraram e mataram meus quatro filhos. Enquanto corríamos para salvar nossas vidas, eles também atearam fogo em nossas casas. Muitos estão desabrigados agora”, acrescentou.

O pastor Isaac Balason, da Igreja Batista Nasara, em Godogodo, falou com a agência ‘Morning Star News’ pelo telefone durante o momento ataque.

“Agora são 20:30 e o ataque está acontecendo”, disse ele. “Não temos certeza se vamos sobreviver a isto. Por favor, estejam em oração conosco”, pediu.

Solomon Musa, advogado e presidente da União Popular do Sul de Kaduna, disse em uma conferência de imprensa na última segunda-feira (17), que os residentes locais identificaram pelo menos 40 pessoas que morreram.

Ele disse: “A comunidade Godogodo voltou a sofrer um ataque feroz, aterrador, brutal, selvagem e bárbaro por parte dos pastores Fulani sem qualquer motivo aparente, no último sábado, 15 de outubro de 2016”, disse ele. “Até agora, os moradores conseguiram identificar pelo menos 40 corpos, além de vários outros cadáveres queimados, o que dificulta o reconhecimento”.

De acordo com Solomon quase todas as casas da aldeia foram queimadas.

“A selvageria e barbárie do ataque é inacreditável”, disse ele. “No entanto, os governos federal e estadual parecem permanecer tranquilos e evasivos. Fomos abandonados e negligenciados”.

Rev Thomas Akut, da Igreja Evangélica ‘Winning All Good News’, em Godogodo disse que o ataque expulsou todos os 245 membros de sua igreja.

“A maioria das aldeias ao redor de Godogodo foram destruídas e milhares de cristãos foram expulsos de suas casas”, disse ele, observando que considera que este ataque é parte de uma guerra islâmica contra os cristãos.

“Esta é uma jihad”, disse ele. “É uma guerra santa islâmica contra cristãos na parte sul do estado de Kaduna”.

A organização cristã ‘World Watch Monitor’ relatou que mais de 300 pessoas – a maioria sendo cristãs – foram mortas em ataques de pastores Fulani nos últimos cinco meses e mais de 5.000 pessoas foram expulsas de suas aldeias.

Outro pastor nigeriano, Rev Agostinho Akpen Lev, disse ao site da organização: “Este é outro jihadista, assim como o Boko Haram no nordeste do país. Os terroristas transportam armas sofisticadas, às vezes até usam armas químicas em nossas comunidades. Eles atacam muitas vezes durante a noite, quando as pessoas estão dormindo. Eles atacam pessoas indefesas e vão embora. Eles têm claramente um objetivo: Acabar com a presença do cristianismo e assumir as terras”. FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN TODAY

domingo, 4 de junho de 2017

Projeto pró-islã recebe R$ 7 milhões via Lei Rouanet

EVANGELICOS NUNCA RECEBERAM VERBA nem mesmo para ajudar nas Casas de Recuperação de drogados, alcoolatras, mendigos, creches, asilos e orfanatos. Na verdade quem sustenta tudo isso são dízimos, ofertas, doação de alimentos e outras feitas por  membros das igrejas e familiares dos internos.

115 mil cartilhas muçulmanas serão distribuídas para difundir “O que o mundo islâmico fez por nós”


Entre as constantes discussões sobre os abusos da Lei Rouanet, grande trunfo do Ministério da Cultura (MinC) nos governos do Partido dos Trabalhadores, o foco parece recair sempre nos artistas globais. Alguns deles receberam milhões de reais em forma de renúncia fiscal para produzirem seus espetáculos, que ainda assim cobram ingressos caros.

Em meio ao escrutínio público que vem sendo feito após a posse do novo governo, está sendo proposta uma CPI na Câmara dos Deputados para se investigar os excessos. Até o momento não foi divulgado se no novo MinC irá revisar todas as concessões futuras, como tem sido especulado.

Alguns desses projetos, aprovados pelo governo Dilma Rousseff, chamam atenção por terem clara formatação ideológica. Por exemplo, foi captado via Lei Rouanet um total de R$ 7.095.007,39 para a organização da exposição “1001 Invenções: descobrindo o duradouro legado da civilização muçulmana”.

  Realize o Seu Sonho de Tocar Piano sem Sair de Casa. Comece Agora!
A exposição, idealizada por uma organização da Inglaterra, será apresentada em São Paulo no ano que vem, por um período de três meses. No próximo encontro da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura (CNIC), entre 7 a 9 de junho, ele precisa receber a aprovação final.

A justificativa do projeto, idealizado por Ahmed Salim, um jordaniano radicado em Londres, tem “a finalidade de descortinar esse passado (muçulmano) encoberto pelos acontecimentos atuais e pelo próprio modo como foi contada a história ocidental.” Entre as várias facetas da exposição está a exibição do documentário: “O que o mundo islâmico fez por nós”.

Na documentação apresentada, afirma-se que “o projeto contribuirá para a área pelo seu caráter histórico, artístico e educativo de notória importância”. Embora em momento nenhum apareça a palavra religião, não faz distinção entre a cultura do povo árabe (étnico) e os muçulmanos (seguidores de Maomé). Ou seja, para seus criadores, uma coisa está intrinsicamente ligada à outra.

A mostra prevê a entrega de 115 mil cartilhas para os estudantes de 7 a 17 anos que visitarem o local. Inclui ainda verba para campanhas educativas com as escolas da cidade, visando “despertar o interesse do público, em especial os estudantes a respeito do tema central proposto”.

Estranhamente, nos últimos anos, por causa de suas convicções ideológicas, os partidos alinhados com a esquerda vinham enfatizando constantemente a necessidade do Brasil se afirmar como um Estado laico.

Essa separação entre Estado e religião, impediria que fosse repassada verba pública para a promoção de um determinado credo. Pelo histórico recente do PT, isso só vale quando se trata de cristianismo, pois durante vários anos o governo federal patrocinou eventos para a promoção das religiões afro-brasileiras através do Ministério da Cultura e da Fundação Palmares.

A subvenção da religião, é bom lembrar, é proibida pelo artigo 19 da Constituição Federal. Com informações de Ilisp

Pastor é assassinado na porta de igreja

 Pastor é assassinado na porta de igreja no município de São Pedro do Suaçuí, no Vale do Rio Doce

Fonte: http://aconteceunovale.com.br
Um pastor evangélico foi assassinado nessa terça-feira, 9 de maio, na porta de uma igreja no Aglomerado Capitinga, município de São Pedro do Suaçuí, no Vale do Rio Doce. Relatos de testemunhas dão conta de que a vítima, identificada como Rodrigo Resende, realizava um culto na Assembleia de Deus Bonsucesso, quando teria saído para ajudar dois rapazes a pegar um tacho com alimento para servir aos fieis.
Ao sair na porta do templo religioso, o pastor foi alvejado por um disparo de arma de fogo, possivelmente de calibre 12, e morreu no local. Testemunhas afirmaram também que o suspeito do crime estava em um barranco em frente à igreja.
Após a prática do crime, o autor evadiu do local com um comparsa. A Polícia Militar foi acionada e iniciou rastreamentos com intuito de localizar e prender os criminosos. O Aconteceu no Vale ainda não conseguiu informações junto à corporação sobre o andamento das buscas.
A Perícia Técnica da Polícia Civil compareceu a igreja e após os trabalhos de praxe, o corpo do pastor foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) em Governador Valadares para realização de necropsia.
O crime bárbaro, presenciado por familiares do pastor, será investigado pela Polícia Civil. O assassinato de Rodrigo Resende causou grande comoção entre moradores do município de São Pedro do Suaçuí e de cidades circunvizinhas.

Rodrigo era responsável pela filial da AD Bonsucesso em Capitinga (Foto: Reprodução)

Estado Islâmico faz mais 400 vítimas em Palmira na Síria

Estado Islámico decapita en Palmira a 400 personas, en su mayoría niños, mujeres y ancianos, ante la pasividad internacional




El primer ministro sirio, Wael al Halqi, responsabilizó de la masacre a los “países que apoyan el terrorismo material y militarmente, principalmente a Arabia Saudita, Qatar y Turquía, así como a algunos países occidentales”.
Desde el pasado día 13 de mayo, los yihadistas han tomado amplias partes de Siria.
Pero la comunidad internacional, cruzada de brazos ante semejantes salvajadas.
El grupo terrorista Estado Islámico (EI) ha decapitado a unas 400 personas, en su mayoría niños, mujeres y ancianos, en la ciudad siria de Palmira desde que tomó su control el pasado miércoles, según informó la televisión oficial siria, que citó a fuentes locales. Las víctimas fueron asesinadas debido a «su lealtad al Gobierno sirio y su desobediencia al EI», según el canal estatal, que agregó que «estos crímenes se están perpetrando ante el vergonzoso silencio de la comunidad internacional».
Palmira lleva dominada por los yihadistas desde el pasado viernes. Y desde el pasado día 13 de mayo, los yihadistas han tomado amplias partes de Siria, como el este de Homs, las poblaciones de Al Sujna, Al Ameriya, Palmira, Sauana y Jinifis, y los campos de gas de Al Arak y Al Hil.
«Los terroristas han matado a más de 400 personas y mutilado después sus cuerpos con el pretexto de que se negaban a acatar sus órdenes», aseguraba la agencia estatal de noticias Sana, citando testimonios sobre asesinatos de decenas de funcionarios y de sus familias de varios vecinos, que describían un paisaje de cadáveres abandonados en las calles de Palmira.
El primer ministro sirio, Wael al Halqi, condenó la «horrible masacre» perpetrada por el EI y responsabilizó de ella a los «países que apoyan el terrorismo material y militarmente, principalmente a Arabia Saudita, Qatar y Turquía, así como a algunos países occidentales», añadió la televisión oficial.
Por ello, Al Halqi llamó a la comunidad internacional y a las organizaciones humanitarias a que presionen a «estos Gobiernos que apoyan el terrorismo».
Recordemos que el Estado Islámico proclamó un califato en partes del territorio sirio y del iraquí a finales de junio de 2014. Y también opera en Libia. Y allí donde se hace con el poder, procede a masacrar a la población que no se convierte al Islam, con ejemplos como el que abre esta noticia. Y todo ello ante la pasividad internacional, sobre todo de Occidente.
Como dice el Papa Francisco, es lícito parar al agresor injusto. Más claro, agua…
José Ángel Gutiérrez
joseangel@hispanidad.com

sexta-feira, 28 de abril de 2017

Cristãos Iraquianos temem Estado Islâmico e tambem os Curdos

Olá, Antonio Carlos Martins Bastos:
A equipe da CitizenGO voltou do Iraque há alguns dias. Tive a oportunidade de falar com eles, e me contaram coisas incríveis. 
Tatiana falou sobre o medo. Escutaram explosões causadas por bombas muito perto de onde estavam. Os solados com os quais conversaram disseram-lhes que não deveriam tocar em nada, para que não houvesse risco de detonar alguma bomba. 
Helicópteros sobrevoavam a região constantemente...
Os cristãos iraquianos também sentem medo. Temem o Estado Islâmico, mas também os curdos, que têm protegido os cristãos, mas são muçulmanos e nunca se sabe até que ponto estão decididos a defendê-los, pois quando o Estado Islâmico chegou na região foram as forças curdas que abandonaram os civis... 
Nossa equipe já regressou, mas a guerra continua. Em Mosul, a batalha é casa a casa. A libertação ocorre de modo muito lento. 
Tampouco os cristãos de Qaraqosh sabem quando poderão voltar para suas casas. Os cristãos permanecem em seus alojamentos provisórios. Não sabem se poderão voltar. As igrejas foram destruídas e suas casas também.
Nosso diretor de campanhas na Alemanha, Eduard Pröls, me enviou uma fotografia impactante de uma senhora que se desesperou ao ver sua casa completamente destruída:  
desesperada
"Uma dor profunda", nos disse Eduard. Sem dúvida, um momento do qual ninguém se esquecerá. Assim como o choque que tiveram ao ver as igrejas destruídas...
Se quiser ver o álbum de fotografias de nossa expedição #HelpForIraq, deixo o link: 
O trabalho da Igreja consiste em evitar o exílio. Na Quinta-feira Santa, a equipe participou dos ofícios em uma das igrejas destruídas pelo Estado Islâmico. As celebrações foram realizadas em um altar provisório porque o original foi destruído pelo Estado Islâmico... Porém, a igreja estava repleta de pessoas. Não cabia nem sequer uma alma a mais!
Como no Domingo de Ramos. Fiquei impressionado ao saber que milhares de cristãos desabrigados balançavam seus ramos em um acampamento de refugiados ao grito de 'Hosana'!
Realmente os cristãos perseguidos são um exemplo para toda a Igreja.
Mas a verdade, Antonio Carlos Martins Bastos, não é fácil. Na última década, saíram do país cerca de 80% dos cristãos. 
É um verdadeiro drama. Muitos episódios do Antigo Testamento ocorreram em terras que correspondem ao que hoje é o Iraque. É o berço de nossa fé. Os cristãos já estavam lá antes da chegada do Islã. 
Mas hoje são assassinados e perseguidos...
O desaparecimento do cristianismo no Iraque seria uma tragédia porque os cristãos são fundamentais para a convivência pacífica entre as diferentes etnias que vivem na região. 
Como disse um bispo que conversou com nossa equipe, os cristãos iraquianos são como o sal: poucos, mas necessários para que o prato tenha sabor.
Mas estão desaparecendo. Por isso, nosso trabalho de apoio a eles tem sido direcionado para apoiá-los na reconstrução:
·  Apagamos pichações feitas por membros do Estado Islâmico.
·  Demos um curso sobre a importância da educação para garantir o futuro e o desenvolvimento. 
·  Colaboramos com uma clínica por meio da doação de medicamentos.
·  Colaboramos com ajuda financeira para construir moradias estudantis a fim de apoiar os jovens em seus estudos.
·  Reconstrução do colégio de Tel Esqof, que será reinaugurado em setembro. 
·  Apoiamos as ONGs que colaboram com a distribuição de alimentos e de itens de necessidade básica aos cristãos perseguidos. 
Tudo isso foi possível graças a você, Antonio Carlos Martins Bastos. Em nome das pessoas que têm recebido nosso apoio, muito obrigado!
Atenciosamente,

Guilherme Ferreira e toda a equipe da CitizenGO

terça-feira, 18 de abril de 2017

Atentado contra comboio de ônibus mata 126 civis na Síria, entre eles pelo menos 68 crianças

Veículos transportavam pessoas durante evacuação de duas cidades rebeldes sitiadas pelo regime

Por: AFP e Agência Brasil
1
Atentado contra comboio de ônibus mata 126 civis na Síria, entre eles pelo menos 68 crianças  Omar haj kadour/AFP
Os ônibus estavam estacionados em Al Rashidin, setor rebelde a oeste de AeppoFoto: Omar haj kadour / AFP 
O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) informou que pelo menos 68 crianças estão entre as 126 pessoas que morreram no atentado com uma caminhonete-bomba realizado no sábado contra um comboio de ônibus, um dos ataques mais violentos em mais de seis anos de guerra.
Segundo a organização não governamental (ONG), 109 eram moradores de Al Fu'ah e Kafarya e voluntários do Crescente Vermelho Sírio, que estavam ali para facilitar o processo de evacuação. Além das crianças, havia ainda 13 mulheres, enquanto que o resto eram homens armados. 
A ONG não descartou que o número de mortos aumente ainda mais, pois há dezenas de feridos e desaparecidos.
O atentado ocorreu quando os ônibus com evacuados de Al Fu'ah e Kafarya, dois povoados de maioria xiita da província de Idlib (noroeste), esperavam na passagem de Al Rashidin para cruzar para as áreas sob o controle das autoridades do regime em Aleppo.
Os veículos estavam estacionados nessa área, quando uma caminhonete explodiu. Por enquanto, nenhuma organização reivindicou este ataque.
O suicida estava dirigindo uma caminhonete que transportava ajuda alimentar e detonou o veículo perto dos 75 ônibus estacionados em Al Rashidin, setor rebelde a oeste da metrópole, de acordo com OSDH.
Cerca de 5 mil pessoas evacuadas na sexta-feira das cidades de Fua e Kafraya, duas localidades favoráveis ao regime e sitiadas pelos rebeldes, estavam a bordo dos ônibus visados.
A evacuação se deu por conta de um acordo que permitiu a saída simultânea de duas cidades rebeldes sitiadas pelo regime.

Egito: ataque a bomba em igreja mata ao menos 25 pessoas

A igreja estava cheia de fiéis que celebravam o Domingo de Ramos


Cairo, 09 - Uma bomba explodiu em uma igreja em Tanta, no Egito, matando pelo menos 25 pessoas e ferindo outras 71, segundo autoridades do país. A igreja estava cheia de fiéis que celebravam o Domingo de Ramos.

O ataque na cidade, localizada no Delta do Nilo, ao norte do Cairo, foi o mais recente de uma série de ataques contra a minoria cristã do Egito, que representa cerca de 10% da população total e tem sido repetidamente alvo de extremistas islâmicos. O episódio ocorre algumas semanas antes de o Papa Francisco visitar o Egito.

O vice-ministro da Saúde do Egito, Mohammed Sharshar, confirmou o número de vítimas até o momento. Nenhum grupo reivindicou imediatamente o ataque, que ocorre uma semana antes da Páscoa.

O grande xeque Ahmed el-Tayeb, chefe do Al-Azhar do Egito - o principal centro de aprendizagem no Islã sunita - condenou o ataque, qualificando-o como um "ataque terrorista desprezível que tinha como alvo a vida de inocentes".

Fonte: Associated Press.